Estatutos

 

REGULAMENTO INTERNO DESPORTIVO 2014

REGULAMENTO INTERNO - DESPORTIVO

 

Preâmbulo

 

O Regulamento Interno para a Sociedade Columbófila Nisense, obedecerá em termos gerais aos Estatutos da SCN, Regulamento Desportivo Nacional e ao Regulamento Disciplinar da FPC, salientando-se todavia, as disposições que a seguir se indicam:

 

I – Disposições Gerais

 

1)      Só poderão participar na Campanha Desportiva da S.C.N., os sócios que tiverem os seus pombos devidamente recenseados, vacinados e com o pagamento das quotas e quaisquer outras taxas em dia.

 

·        As quotas da Colectividade devem encontrar-se liquidadas a 31 de Janeiro.

 

2)      Os pombos participantes numa prova e não recenseados (recenseamento desportivo) serão desclassificados.

 

3)      Pombos que se encontravam extraviados, não recenseados por lapso do concorrente, mas que faziam parte do recenseamento do Columbófilo no ano anterior, só poderão ser encestados, oito dias após o recenseamento “Adicional”, ao abrigo da “Situação Especial” do n.º 5 dos “Princípios Gerais” da Circular da F.P.C., sobre o Recenseamento.

 

·       O estipulado no N.º anterior sofrerá modificação ou perderá todos os efeitos quando for modificado ou extinto da Circular anual sobre Recenseamento emanada da FPC.

 

4)      O Calendário de Treinos da Colectividade, bem como, o preço do pombo a treino, será divulgado quando da apresentação do Orçamento para a Campanha Desportiva.

 

5)      A Direcção ou o C. Técnico, sempre que entender e caso se justifique, poderá alterar o horário do encestamento.

 

·       Quando se verificar a decisão alterar o horário, o Aviso a colocar no Placar de Informações, deverá ser efectuado com pelo menos 48 horas de antecedência, e tomar-se-á as diligências necessárias para informar todos os concorrentes da decisão.

 

6)      Cabe ao C. Técnico ou, na sua ausência, a um director de outro Órgão Social a decisão de “abeberar” ou não os pombos após os encestamentos na Sede da Colectividade.

 

7)      O presente Regulamento entrará em vigor imediatamente a seguir à sua aprovação em Assembleia-geral e estará em vigor até à sua alteração em nova Assembleia-geral convocada para o efeito.

 

a)      À Direcção e ao Conselho Técnico da S.C.N. reserva-se o direito de alterar o presente Regulamento, sempre que motivos de força maior o justifiquem, carecendo sempre de aprovação em Assembleia-geral.

 

b)      De igual modo e sempre antes de iniciada a Campanha Desportiva, as decisões votadas em Assembleia-geral, introduzirão as necessárias modificações ao Regulamento Interno para a Campanha Desportiva seguinte.

 II – Inscrições, Prazos e Formas de Pagamento

 

8)  A inscrição para a Campanha Desportiva realiza-se dentro do prazo indicado para o efeito, que será afixado no Placar de Informações da Sede, e na página da internet em www.nisense.columbofilia.net

 

9)  O valor da inscrição para cada Campanha Desportiva será indicado na apresentação do Orçamento anual e fará parte do “Preçário Geral da S.C.N.” que será divulgado, quando da apresentação do Orçamento para o ano seguinte.

 

10)  Inscrições fora do prazo sofrem uma taxa de penalização correspondente à fórmula seguinte: vp = vi x nd x 0,3% e condicionada à aceitação pela Associação, uma vez que o pedido de caixas já terá sido efectuado.

 

Exemplo:  vp  = Taxa da penalização; vi  = Valor total da inscrição; nd = N.º de dias fora de prazo;

Em que: 250 € x 8 dias x 0,3% = 6 € (Portanto o valor da taxa fora de prazo (vp) é de 6 €)

 

11)  Prazos e forma de pagamento da inscrição para a Campanha Desportiva 2014:

 

a)       1º pagamento no acto de inscrição, de 15% sobre o valor total dos pombos inscritos, a data limite é 24 de Janeiro;       

b)       2º pagamento no valor de 20% até 28 de Fevereiro;

c)        3º pagamento no valor de 20% até 30 de Março;

d)     4º pagamento no valor de 20% até 30 de Abril;

e)      5º pagamento do valor total até 30 de Maio

 f)   Os sócios com débitos em atraso à Colectividade na data desta Assembleia, devem liquida-los, impreterivelmente, e excecionalmente até ao dia 30 de Abril de 2014, sob pena de ter de interromper a Campanha de 2014.

 

12)  Até ao 1º dia de Dezembro do ano em que decorre a Campanha Desportiva, para a qual se inscreveram, todos os Concorrentes deverão ter:

 

a)      As suas quotas liquidadas( Coletividade, Associativa e Federativa);

b)      Liquidado o valor total da inscrição de pombos (Campanha).

c)    O não cumprimento das alíneas anteriores, implica a não participação na Campanha seguinte.

  

III – Direitos dos Concorrentes

 

13)  Todos os concorrentes têm direito, gratuitamente, a uma folha com as suas classificações semanais obtidas do programa informático de classificações.

 

14)  Todos os concorrentes têm direito a um prémio de participação.

 

a)      As sociedades só têm direito a um prémio de participação, independentemente do n.º de associados que a compõem.

 

b)      Caso seja do interesse dos restantes associados, este poderão solicitar uma réplica do prémio, mediante pagamento.

 

15)  Os concorrentes que pretenderem voar no sistema de “doublage” noutra Coletividade, tem direito ao fornecimento de todos os dados necessários para efectuarem a sua inscrição para o efeito, mediante pedido por escrito dirigido ao Presidente do C. Técnico da S.C.N..

 

IV – Deveres dos Concorrentes

 

16)  Todos os concorrentes têm de apresentar até 19 de Janeiro a “Declaração de Vacinação dos Pombos” devidamente preenchida.

 

17)  O concorrente que não tenha cumprido com o estipulado no n.º anterior, não poderá encestar os seus pombos para qualquer tipo de prova incluindo os treinos da Colectividade.

 

18)  Todos os concorrentes têm o dever de permitir a verificação das coordenadas dos seus pombais pelos elementos do Conselho Técnico os quais, no local e por escrito, o informarão pessoalmente, ou a um seu representante, dos dados recolhidos do aparelho de medição GPS.

 

19)  Os concorrentes com aparelhos de corda (analógicos) devem fazer a entrega dos mesmos ao Conselho Técnico, até 15 dias antes do início da Campanha de 2014.

 

20)  Todos os concorrentes com sistema de constatação de chegada electrónico têm o dever de permitir o controlo das entradas pelos elementos do Conselho Técnico, que selarão as respectivas entradas com o selo da Colectividade.

 

21)  O impedimento pelo concorrente da recolha dos dados para obtenção das coordenadas junto do pombal e/ou a não permissão da selagem ou verificação da entrada electrónica, conduz ao impedimento da participação do concorrente na Campanha Desportiva.

 

22)  Nos encestamentos, quer dos treinos quer das provas, o concorrente após a chegada ao local de encestamento, deve indicar a quem está a presidir aos trabalhos de encestamento, o n.º de Machos e Fêmeas que vai enviar.

 

23)  Os concorrentes possuidores de relógios constatadores de corda ou digitais com comprovações em falso, deverão participar esta situação ao Conselho Técnico, bem como, entregar o “aparelho” constatador com pelo menos uma comprovação para o “fecho”.

 

24)  Todo o concorrente é obrigado aos serviços de escala e por equipa, podendo no entanto combinar com a Direcção e Conselho Técnico a sua escusa, mediante o pagamento de uma indemnização que será estipulada para o efeito.

 

·        Os deveres, isenções e demais cláusulas relacionados com a “Escala de Serviço” estão descritos no capítulo VI deste regulamento.

 

25)  Após o encestamento, os concorrentes deverão levar os cestos particulares de transporte de pombos. Não é permitida a permanência dos respectivos cestos na sala, após o encerramento das operações de encestamento.

 

·        O não cumprimento do estipulado no Nº. anterior implica a colocação na área do logradouro, dos respectivos cestos, ou seja, colocados à mercê de intempéries, não se responsabilizando a Direcção ou conselho Técnico, por quaisquer danos causados aos mesmos ou pelo seu extravio.

 

26)  Os concorrentes com aparelhos constatadores digitais ou de corda devem preparar o seu aparelho, para que esteja apto a ser dado o disparo de arranque na hora marcada para o efeito pelo Conselho Técnico.

 

a)      Todo o concorrente que o desejar, poderá solicitar ao Conselho Técnico ou delegar noutro concorrente a preparação do seu aparelho constatador.

 

b)      Cabe ao concorrente toda a responsabilidade de dar corda ao seu relógio, bem como, verificar o rolo, químico, pilhas etc., não sendo da responsabilidade do Conselho Técnico, qualquer erro, anomalia ou mau funcionamento provocado pela sua deficiente preparação.

 

·        Ao Conselho Técnico cabe a responsabilidade de rubricar e carimbar as fitas, bem como, verificar a correcta selagem dos aparelhos e buracos de saída.

 

27)  É dever de todos os concorrentes, frequentar a Sede da Colectividade, pelo menos duas vezes por semana, de preferência às segundas e quintas-feiras, a fim de observar eventuais comunicados de última hora ou outras informações de seu interesse.

  

V – Encestamentos e Boletins de Anilhamento

 

28)  Para cada prova é obrigatório o preenchimento integral do boletim de anilhamento, sem emendas ou rasuras, o qual deverá ser entregue no horário a afixar atempadamente pelo Conselho Técnico.

 

29)  Os boletins de inscrição deverão ser preenchidos por ordem numérica crescente de anos e números das respectivas anilhas, separando os machos das fêmeas. Sendo os machos colocados na parte superior do boletim.

 

·        Sempre que se verifique um envio superior ao número de pombos inscritos, serão eliminados os últimos pombos do boletim de anilhamento, como se o boletim fosse preenchido por ordem numérica crescente de anos e números das respectivas anilhas independentemente do sexo.

 

30)  Os boletins de anilhamento depois de entregues ao Conselho Técnico não poderão ser levantados para proceder a qualquer alteração.

 

31)  Os concorrentes não podem ceder o nº., de pombos por si inscritos a outro concorrente.

 

32)  O Conselho Técnico marcará com a devida antecedência o horário de apresentação de boletins de anilhamento, assim como, o respectivo horário do anilhamento e encestamento para as diversas provas a realizar.

 

33)  Não serão aceites pombos fora das horas indicadas oficialmente.

 

a)      A colectividade considerará, no entanto, que cada concorrente poderá utilizar um máximo de 2 (duas) tolerâncias até ao limite de 30 minutos cada, durante a Campanha Desportiva.

 

b)      Poderão ser aceites pombos para encestamento se o atraso for superior a 30 minutos, desde que devidamente justificado, e que não impeça o bom andamento do carregamento dos pombos.

 

34)  Se ocorrer fuga de pombos após a entrega para encestamento poderá o concorrente apresentá-los posteriormente, desde que, não impeça o bom andamento do carregamento dos pombos.

 

35)  Após a entrega da ficha de ordem não serão aceites pombos para encestamento que por lapso ou esquecimento tenham ficado no pombal.

 

36)  A quantidade de pombos a encestar por concorrente é limitada, sendo:

 

            30 Pombos a velocidade;

            30 Pombos a meio-fundo;

 20 Pombos a fundo (30 pombos para o Campeonato Distrital);

 10 Pombos a grande-fundo (15 pombos para o Campeonato Distrital).

  

37)  Não será restituída qualquer importância relativa a inscrições de pombos que não sejam apresentados aos anilhadores, ou que sejam recusados por incapacidade física ou sanitária.

 

38)  Nas caixas de pombos a concurso não poderão ser introduzidos outros pombos, quer seja a treino, em substituição de outros pombos não enviados, pombos extraviados quer sejam pertencentes a outrem desconhecido, etc. etc.

 

39)  Ao C. Técnico compete avaliar o estado de saúde dos pombos. Pombo que não se apresente em boas condições não será encestado.

 

·       Entende-se por boas condições de saúde, o bom aspecto externo e visível das condições de higiene, físicas e sanitárias do animal.

 

40)  É expressamente proibido fumar no local de encestamento, o fumador deve ausentar-se para fora da sala quando pretender fumar.

  

VI – Escala de Serviço

 

41)  Funcionará em cada Campanha Desportiva, até disposição em contrário, a Escala de Serviço para Encestamentos, Carregamentos e Recolha de Caixas, a qual obedecerá aos seguintes pontos:

 

a)      A Escala de Serviço funcionará durante toda a Campanha Desportiva em treinos da Associação e Concursos. O trabalho de cada equipa compreende:

 

(1)   O encestamento para cada prova, dos pombos da sua equipa de trabalho, não podendo o concorrente encestar os seus próprios pombos.

 

(2)   O carregamento das Caixas para os treinos e concursos oficiais, nas datas e provas para que foram escalados e a limpeza da Sala de encestamento.

 

b)      O Conselho Técnico com a supervisão da Direcção elaborará a “Escala de Serviço” para toda a Campanha Desportiva, com a respectiva calendarização e composição das equipas de concorrentes, a qual será exposta no Placar de Informações com um mês de antecedência em relação ao primeiro treino da Associação.

 

·        Os concorrentes escalados, que por qualquer motivo não pretendam fazer parte da equipa para a qual foram escolhidos, poderão solicitar a troca, desde que apresentem outra solução.

 

c)      Cada equipa de trabalho será chefiada, obrigatoriamente, por um membro do Conselho Técnico ou Direcção e se necessário, também do Conselho Fiscal;

 

d)      A Escala de Serviço funcionará pelo sistema de rotatividade;

 

e)      Os grupos escalados deverão comparecer para efectuar os respectivos serviços nos horários a afixar no placar de informações da Sede, e no site da colectividade (net);

 

f)       As trocas de serviço serão da responsabilidade dos concorrentes, devendo comunicar ao seu grupo de trabalho e ao C. Técnico, com a devida antecedência;

 

·       Cada equipa de trabalho é responsável pelos seus actos, pela falta ou troca de serviços dos elementos da sua equipa, bem como a penalização a aplicar ao faltoso, não cabendo, a qualquer outra equipa, interferir na sua organização.

  

g)      Qualquer falta de comparência ao serviço, sem a devida justificação, será penalizada com a taxa de 20 euros, revertendo este valor a favor dos restantes elementos que compõem a sua equipa de serviço.

 

·       Para aplicação da penalidade estipulada na alínea anterior, deverá a equipa de trabalho, por maioria dos seus componentes, participar por escrito à Direcção o sucedido, e esta, por sua vez, debitará na conta corrente o valor a aplicar e comunicará ao faltoso a aplicação da penalidade efectuada por vontade dos seus companheiros de equipa.

 

h)      A Escala de Serviço está sujeita a eventuais alterações, caso venha a verificar-se qualquer situação que o justifique;

 

i)        Ficam isentos dos serviços de escala ao carregamento de caixas, os concorrentes que se encontrem nos seguintes casos:

 

(1)   Idade igual ou superior a 70 anos de idade;

 

(2)   Temporariamente de baixa médica e/ ou debilitados fisicamente.

 

(3)   Os concorrentes abrangidos pela isenção do Nº.2 da alínea anterior devem, no caso de baixa médica ou de debilitação física, apresentar documento comprovativo da sua situação.

 

(4)   No caso de sociedades, em que se verifica haver um sócio abrangido pelas isenções estipuladas nos nºs 2 e 3 da alínea anterior, a sociedade concorrente não fica totalmente isenta, devendo um dos restantes sócios, na plenitude das suas capacidades físicas e intelectuais efectuar o serviço de escala ou de encestamento.

   

VII – Saída e Entrega de Aparelhos

 

42)  O disparo de saída dos aparelhos é dado após o encestamento, ou em dia a indicar no placar de informações da Sede e no site da colectividade (net), no caso haver alterações.

 

43)  A última entrega dos aparelhos após o concurso será feita no mesmo dia da prova no seguinte horário:

 

      - 3horas após a chegada para provas de Velocidade e Meio-Fundo;

      - 22horas para provas de Fundo.

 

a)      É obrigatório, todos os amadores, apresentarem os aparelhos para fecho, mesmo que não tenham pombos constatados.

 

b)      No caso de um concurso durar vários dias os aparelhos devem vir à Sede às horas previamente marcadas pelo C.Técnico (sempre fora do período de constatação) para que seja feita uma constatação de controlo.

 

c)      Na eventualidade de se verificar duas provas no mesmo dia, sendo uma delas de Fundo, o horário de entrega será às 22 horas.

 

d)      Quando nas provas de fundo ou outra especialidade, o concorrente não tiver recebido qualquer pombo da prova, deverá apresentar-se pelas 22 horas na Sede, a fim de cumprir com o Regulamento Desportivo Nacional.

 

e)      Sempre que o concorrente entender, poderá efectuar disparos de controlo ao aparelho, os quais só serão aceites, desde que, sejam testemunhados por dois ou mais concorrentes ou por uma entidade oficial que, em ambos os casos, deverá o concorrente comprovar através de acta ou declaração para o efeito e assinada pelas testemunhas e por ele próprio.

 

f)       Os horários estipulados nos Nºs. 42 e 43 deste Regulamento, poderão eventualmente sofrer alteração, pelo que neste caso deverá ser efectuado o respectivo aviso de alteração e afixado no Placar de Informações da Sede,e na página da Internet em www.nisense.columbofilia.net, com pelo menos 48 horas de antecedência.

 

 

44)  A abertura de aparelhos para efeitos de apuramento de resultados será efectuada habitualmente aquando da entrega dos mesmos, ou à hora que o Conselho Técnico determinar.

 

 

VIII – Prémios e sua Entrega

 

45)  Os prémios em disputa, quer os consubstanciados em forma de taças ou troféus, ou de outra natureza, quer os consubstanciados por prémios pecuniários, serão apresentados no Orçamento para a Campanha Desportiva, com base nos pressupostos para a elaboração do respectivo Orçamento, cujos prémios poderão ser rectificados mediante a discrepância positiva ou negativa que o referido Orçamento possa sofrer quanto a inscrições dos concorrentes.

 

46)  A cerimónia de entrega de Prémios será efectuada até ao final do ano a que respeita a Campanha Desportiva, tradicionalmente na primeira quinzena de Dezembro.

 

47)  Todos os prémios a que o concorrente tiver direito só serão entregues na Cerimónia de entrega de Prémios.

 

48)  O Concorrente que não puder estar presente na cerimónia de entrega de Prémios tem o dever de se fazer representar por outrem, de preferência um não concorrente, sob pena de perder o direito aos prémios.

 

·       Todos os Concorrentes que não cumprirem com o estipulado no N.º anterior, têm de levantar os Prémios até aos oito dias posteriores à distribuição dos mesmos, sob pena de reverterem a favor da S.C.N.

 

49)  A escolha de taças ou troféus será da responsabilidade da Direcção e do Conselho Técnico, tendo a Direcção decisão de qualidade em caso de divergência de escolha, a qual se reserva o direito de escolha ou substituição do modelo, salvo nos prémios ofertados por terceiros com Regulamentos próprios ou ainda aqueles a quem a Direcção solicitar o seu Patrocínio.

IX – Disposições Finais

 

 

50)  Os amadores que utilizem anilhas para constatação electrónica terão de assegurar no início de cada campanha, uma listagem de atribuições de anilhas magnéticas a ser executada pelo respectivo Conselho Técnico ou alguém indicado para o efeito.

 

51)  Alteração dessa atribuição só poderá ser feita pelo Conselho Técnico ou alguém indicado para o efeito.

 

52)  Só será considerada qualquer reclamação, desde que seja feita por escrito, dirigida ao Presidente do Conselho Técnico ou da Direcção, dentro do prazo de 8 dias após a ocorrência que ocasionou a mesma.

 

53)  A Direcção e o Conselho Técnico estarão abertos ao diálogo e colaboração dentro dos parâmetros e da sã convivência desportiva e de respeito mútuo.

 

54)  Nenhum sócio ou concorrente poderá alegar desconhecimento de toda e qualquer matéria constante do presente Regulamento, assim como das regras desportivas e disciplinares da Associação e Federação Portuguesa de Columbofilia.

 

55)  Qualquer caso omisso neste Regulamento será resolvido pelo Conselho Técnico (Secção Desportiva) ou pela Direcção (Secção Administrativa) da S.C.N. de conformidade com os Regulamentos da FPC.

 

56)  A cada concorrente será entregue uma cópia do presente Regulamento após aprovação em Assembleia-geral.

 

 

Este Regulamento foi aprovado em Assembleia-geral de sócios em 17 de Janeiro de 2014 e arquivado o original.

 

Nisa, 17 de Janeiro de 2014

 

O C. Técnico

 

João F. C. Cabim

 

 

 

A Direcção

 

João Paulo M. Valente

 

A MAG.

 

António M.C. Valente

 

 

 

 


Preços Campanha 2014

Cotas da Sociedade Columbófila Nisense

1€/Mês

 

Cota Associativa

10€, pagos com a inscrição dos pombos, até 24 de Janeiro de 2014

 

Treinos da Associação (Pré-Pagamento no dia do Encestamento)

Pombo de treino da Associação – 0,25€/pombo

Caixa de treino da Associação - 10€/caixa

 

Preço dos pombos (Inscrições até 24 de Janeiro de 2014)

Velocidade e Meio-Fundo – 7,10€/pombo (14 provas)

Fundo – 9,2€/pombo (7 provas)

Grande-Fundo – 3,5€/pombo (2 provas)

 

Caixas e pombos extra na Campanha (pagamento até 01 de Março de 2014)

Caixa extra para Velocidade e Meio-fundo – 100€/caixa (14 provas)

Pombo extra para Velocidade e Meio-fundo – 2,80€/pombo (14 provas)

Caixa extra para Velocidade ou Meio-fundo – 60€ (7 provas)

Pombo extra para Velocidade ou Meio-fundo - 1,75€/pombo

 

Treinos da Colectividade (Pré-pagamento no dia do Encestamento)

Pombo de treino na Colectividade – 0,125€/pombo – 5€/caixa